26 de janeiro de 2014

Martirizar


De forma singela, passageira
A vida nos leva pelo ar 
Sem eira, nem beira
Desse jeito, sem avisar

Assim como os pássaros se vão
No inverno, no momento
Eu também me vou, são
Pra bem longe, pouco atento

Atrás os medos, desejos
Sonhos e vida, ensejos
Assim eu vou, sofrendo ao vento
Pouco vivi, e morri, no relento

Mas essa é a vida, pouco amiga
Me contou alegrias, magia
Só não disse o quanto sofreria
Mesmo assim me levou, nem liga

Hoje é o fim, acho que sei
Só que muito deixei
Caminhando, bem devagar
Acordo, e descubro só sonhar.


Verbum volat, scriptum manet
Corvo Branco

2 comentários:

  1. Bom dia, lindo poema!! Nessa caminhada aprendemos muitas coisas provindas de boas e más escolhas. Assim é o nosso viver \O/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que minhas loucuras agradam alguém. Fico feliz em saber que leu e gostou.
      De fato, a vida nos provém de muitas escolhas, e delas aprendemos e retiramos nossa essência.
      Grande abraço Yzzi. :)

      Excluir